Notícias & Publicações
2016/10/11
Publicações Económicas

Economia Mexicana: Perspectivas incertas para o país.

Economia Mexicana: Perspectivas incertas para o país.

Economia Mexicana: Perspectivas incertas para o país.

 

  • A expectativa de crescimento do PIB é de 1.6% em 2016 e 1.5% em 2017
  • Débitos públicos aumentaram para 42.3% em 2015 de 38.3% em 2013. E é esperado atingir 45% até o final desse ano.
  • O governo apresentou uma redução de budget de 240 bilhões de pesos Mexicano (aproximadamente 12.9 bilhões de Dólares e 1.2% do PIB).
  • Perspectiva de deterioração macroeconômica está impactando a microeconomia.
  • Eleições presidenciais nos Estados Unidos continuam a gerar incertezas.

 

Expectativa de redução gradual na renda

José Antônio Meade, novo ministro da fazenda do país apresentou um orçamento para 2017 que sinaliza intenções mais rigorosas do governo. O orçamento apresenta uma redução de 240 bi em pesos mexicanos de despesas (aproximadamente 12.9 bi de dólares e 1.2% do PIB). Isso está bem acima do corte de 169 bi de pesos mexicanos para 2016 e 124 bi de pesos mexicanos em 2015. A maior parte das reduções virá dos financiamentos da estatail de petróleo PEMEX (-5,3 bilhões de dólares). Isso pode ser um tiro no próprio pé, com menos investimentos na empresa, a produção de petróleo será ainda menor, limitando futuras receitas fiscais.

Adicionalmente á está redução orçamentária, a forte depreciação sofrida no peso Mexicano este ano (resultando em maiores preços nas importações e inflação) reduziu o poder de compra do consumidor.

Em comparação com 61 moedas, o peso Mexicano reportou a terceira maior variação negativa durante o período de Janeiro á Setembro de 2016 (-12% ano sobre ano). Ficando atrás apenas da Libra Esterlina e do peso Argentino.

O ambiente continuará desafiador no curto prazo, portanto o momento é de desaceleração nos setores relacionados ao consumo privado. A Coface está rebaixando sua avaliação de risco para os setores de varejo e automotivo no país, enquanto os setores que dependem de commodities permanecem em risco.

Barômetro Setorial

 

Indústria Automobilística: O setor está desacelerando. Entre Janeiro e Setembro de 2016, a performance do setor diminuiu  0.9%, comparando com o mesmo período do ano anterior. Como a indústria automobilística Mexicana é altamente focada nas exportações, esse fraco desempenho é resultado principalmente das baixas na exportação, principalmente pelas vendas em baixa para os Estados Unidos.

 

Agro / Alimentos: Riscos ligados principalmente às atividades de agro. O segmento continua como alto risco devido á diversos fatores, incluindo baixa nos preços internacionais, a depreciação da moeda que impacta os custos dos fertilizantes importados, os longos prazos de pagamento do setor, a importância de uma boa gestão de caixa para financiamento das colheitas e os desafios relacionados às condições climáticas.

 

Indústria Química: Ainda não foi beneficiada pelas reformas do petróleo. Os efeitos positivos da reforma do setor de energia aprovado em Dezembro de 2013 ainda não foram sentidos, com a redução dos preços internacionais do petróleo o interesse de investidores neste setor diminuiu.  A redução no orçamento de 5.3 bilhões de dólares nos financiamentos da empresa pública de petróleo do país será mais um fator que diminuirá a produção.

 

Construção: Construção civil foi fortemente afetada pelos recursos públicos escassos.  Alguns projetos de infraestrutura foram cancelados ou postergados, devido às baixas receitas tributárias advindas da indústria de petróleo. A Câmera Mexicana do setor de construção estima que os haja uma redução nos investimentos públicos no setor de 30% em 2017.

 

Serviços: É esperada uma desaceleração no crescimento. O desempenho relativamente bom no setor de serviços é baseado nos fundamentos positivos da renda. Em um futuro próximo, o ritmo de expansão deverá diminuir, na medida em que a população for sentindo os efeitos dos ajustes monetários e fiscais.

Farmacêutico: Atividade baseada no aumento da expetativa de vida da população. O segmento demonstra boas perspectivas á longo prazo, já que o país tem uma população de aproximadamente 120 milhões de habitantes e a expectativa de vida está aumentando.  Porém, no curto prazo, o setor será impactado pelos cortes no orçamento federal.
Faça o download e confira o estudo completo

Transferir esta publicação : Economia Mexicana: Perspectivas incertas para o país. (835,13 kB)

Contacto


Carolina ALMEIDA

Marketing&Communication Manager
BRAZIL
mail : carolina.almeida@coface.com

Início
  • Portugese