Notícias & Publicações
2018/20/08
Publicações Económicas

Negócios na Grécia : Finalmente um novo começo?

Negócios na Grécia : Finalmente um novo começo?
A volta do crescimento está longe de eliminar o estigma da crise. s

 

Com a sua saída do plano de ajuda europeu, a Grécia está prestes a concluir seu oitavo ano consecutivo de crise. Pela primeira vez desde 2008, o PIB cresceu por quatro trimestres consecutivos. O crescimento em 2017 atingiu + 1,4%, impulsionado pelo investimento e pela dinâmica da demanda externa. Espera-se um crescimento maior do PIB, + 2% até 2018, apesar do fato de que a zona do euro experimentará uma leve desaceleração.

 

Famílias e corporações gregas antecipam essas melhorias econômicas, como confirmado pelos números do Purchasing Manager's Index (PMI) e pelo índice de confiança desenvolvido pela Comissão Européia, a Direção Geral de Economia e Finanças O PMI registrou uma média de 54 pontos no primeiro semestre de 2018, em relação a 2017, quando ultrapassou o limite de 50 pontos (o que indica expansão econômica).

 

Este anseio pela recuperação veio à custa de ajustes fiscais profundos e de uma severa desvalorização interna que foi ainda mais acentuada do que na Espanha e em Portugal. Entre 2008 e 2015, a Grécia perdeu 25% do seu PIB, o investimento diminuiu em 60% e a taxa de desemprego chegou a 28%. Alguns setores, como têxtil, papel e papelão, viram seu valor agregado cair mais de 70%. No lado corporativo, o volume de negócios desmoronou em um terço e a taxa de investimento caiu quase 49%. As microempresas e as PME, que empregam mais de 60% da força de trabalho, eram as mais vulneráveis e cerca de 250.000 PME entraram em falência durante o período.

 

As insolvências de empresas continuam sendo um problema subestimado. As informações disponíveis não levam em conta os procedimentos de pré-insolvência normalmente utilizados e que o processo de liquidação é lento. Essas ineficiências estão encorajando a subsistência de empresas "zumbis", insolventes e improdutivas, das quais a Grécia tem a maior quantidade dentro da OCDE.

 

O risco de inadimplência das empresas, consequentemente, pesa sobre a rentabilidade dos bancos. Apesar de sua recapitalização, os bancos gregos ainda registram altas taxas de inadimplência.

 

 

As empresas gregas são mais competitivas e orientadas para a exportação.

 

A consolidação fiscal e a desvalorização interna ajudaram a reduzir o duplo déficit causado pela crise. As contas públicas posicionaram os superávits primários a partir de 2016 e a conta corrente está em equilíbrio desde 2015. A credibilidade financeira e fiscal foi restabelecida e as incertezas foram consideravelmente reduzidas, permitindo o retorno ao mercado de dívida internacional. Houve também melhorias significativas no lado corporativo. A contração nos níveis salariais ajudou a impulsionar os custos de competitividade do país em comparação com seus parceiros europeus, adicionando um novo dinamismo às exportações, que cresceram 27% entre 2008 e 2017. Isso tem sido particularmente benéfico para as empresas de médio e grande porte nos casos da indústria de transformação, bem como refino de petróleo e produtos farmacêuticos.

 

Um dos sinais de uma recuperação sustentável tem sido a taxa de margem das empresas gregas, que melhoraram desde o segundo trimestre de 2016 e estão acima da média europeia. Embora a fraca demanda doméstica esteja atualmente limitando o ritmo de recuperação, 2019 pode ver uma rápida melhora nas margens de lucratividade das empresas e investimentos acelerados.

 

 

Transferir esta publicação : Negócios na Grécia : Finalmente um novo começo? (183,73 kB)

Contacto


Carolina ALMEIDA

Marketing&Communication Manager
BRAZIL
mail : carolina.almeida@coface.com

Início
  • Portugese
  • <-- for forms on mobile device -->